Diagnóstico sem erros – Ferrugem ainda causa prejuízos

Francisco Carlos de Oliveira Stilo Motores  Rua Mariquinha Viana, 700, Mandaqui  (11) 2977-1124
Francisco Carlos de Oliveira
Stilo Motores
Rua Mariquinha Viana, 700, Mandaqui
(11) 2977-1124

Nem sempre a solução mais dispendiosa é a melhor quando o assunto é defeito automotivo. Recebemos este mês aqui na oficina um Jeep Grand Cherokee 1998, V8, gasolina, com problema de arrefecimento. Um carro com uma certa idade, porém com apenas 110.000 Km rodados, nada muito elevado considerando o ano do veículo.

Esse carro passou por outras oficinas, que além de não resolverem o defeito original, realizaram serviços desnecessários, por erro de diagnóstico. Segundo o proprietário, condenaram a junta do cabeçote, e fizeram a troca do componente, porém, na verdade o problema era mais simples: radiador entupido.

Fizemos os testes e detectamos que boa parte do radiador estava com as colmeias entupidas por causa de ferrugem. É preciso explicar que as colmeias do radiador são bastante finas, e com o tempo acumulam ferrugem e entopem, tal como uma veia ou artéria humana, por causa do colesterol.

Depois de limpo é recolocado no lugar e adicionado líquido de arrefecimento com água desmineralizada e aditivo, de acordo com a proporção estipulada no manual do proprietário
Depois de limpo é recolocado no lugar e adicionado líquido de arrefecimento com água desmineralizada e aditivo, de acordo com a proporção estipulada no manual do proprietário

Ocorre que, se mais de 20% das colmeias estão entupidas, a troca de calor é prejudicada, assim o radiador tem sua eficiência reduzida, ao ponto de não conseguir refrigerar o motor como deveria. A solução para isso é simples: trocar o radiador, ou então tentar recuperá-lo, por um processo que chamamos de varetamento.

Após retirar o radiador, foi feito o varetamento para desobstruir as colmeias.
Após retirar o radiador, foi feito o varetamento para desobstruir as colmeias.

Esse foi o caso desse Grand Cherokee. Fizemos a limpeza do sistema de arrefecimento, limpamos o radiador pelo processo de varetamento e instalamos de volta.

Outro detalhe sobre esse carro: o motorista nunca havia feito manutenção no sistema de arrefecimento, nem a troca o líquido de arrefecimento, somente completando o nível com água comum. E foi isso que causou a ferrugem interna.

Dica
A finalização do serviço no Cherokee foi o reabastecimento do sistema com liquido de arrefecimento, um composto de água desmineralizada com aditivo à base de etilenoglicol, que evita a formação de ferrugem, aumenta o ponto de ebulição e de congelamento da água, além de lubrificar a bomba d’água.

Dependendo do tipo de uso do veículo, recomendamos a troca do líquido de arrefecimento pelo menos uma vez por ano, que pode ser aumentada para duas vezes, caso o carro rode muito ou ainda seja utilizado em trânsito pesado.

Além disso, o motorista precisa ficar atento para o uso de água desmineralizada, pois tem muita gente que confunde e utiliza água mineral no sistema de arrefecimento. O certo é desmineralizada, e é fácil de encontrar nas lojas de autopeças e postos de combustível.

E antes de completar o nível, ficar atento para a proporção ideal de água desmineralizada e aditivo. Cada montadora tem um valor específico de proporção, que fica em torno de 40% a 60% de aditivo e o restante de água. Para tanto, é só consultar o manual do proprietário do veículo.

Alexandre Akashi

Alexandre Akashi

Editor da Revista Farol Alto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.