Componentes automotivos – O reservatório de expansão

Luis Carlos Bailone Luizinho Reparações Automotivas  Av. Cel. Sezefredo Fagundes, 2789, Jardim Tremembé  (11) 2203-1627
Luis Carlos Bailone
Luizinho Reparações Automotivas
Av. Cel. Sezefredo Fagundes, 2789, Jardim Tremembé
(11) 2203-1627

Um componente nem sempre bem compreendido pelos motoristas é o reservatório de expansão do sistema de arrefecimento do veículo, ainda mais nos modelos orientais como Honda e Toyota que, diferentemente dos ocidentais, possuem tampa simples. Isso porque a tampa de pressão e sobrepressão permanece integrada ao reservatório do radiador, como antigamente.

Já nos modelos europeus, a tampa foi removida do radiador, e instalada diretamente no vaso expansor. Apesar dessa diferença, o funcionamento do sistema de arrefecimento é exatamente é o mesmo.

Independentemente de onde está a tampa, a ideia do vaso de expansão é a mesma: permitir que o nível de líquido de arrefecimento permaneça inalterado. Quando o motor está frio, o volume é menor e quando está quente, maior. Isso porque o líquido se expande à medida que aquece e por isso há indicação de nível máximo e mínimo no vaso expansor.

Esquema de configuração encontrado em modelos Honda e Toyota, em que o tanque de expansão conta com apenas um tubo de ligação ao radiador. Neste caso, a tampa pressurizada fica no próprio radiador
Esquema de configuração encontrado em modelos Honda e Toyota, em que o tanque de expansão conta com apenas um tubo de ligação ao radiador. Neste caso, a tampa pressurizada fica no próprio radiador

No caso dos sistemas orientais, em que a tampa pressurizada está no reservatório superior do radiador, há um único tubo ligando o radiador ao vaso expansor, chamado de ladrão do radiador. Quando a temperatura aumenta, o líquido se dilata aumentado a pressão da mola que abre a válvula. Nesse momento, o excesso de líquido se acumula no fundo do vaso expansor. Quando a temperatura diminui, a pressão cai e cria-se um vácuo, abrindo a válvula e sugando o líquido de volta para o radiador.

Configuração em que não há tampa no radiador, apenas no reservatório de expansão
Configuração em que não há tampa no radiador, apenas no reservatório de expansão

Neste caso, a tampa do radiador se apresenta como uma válvula dupla, com uma mola de pressão e outra de depressão. O abastecimento de líquido refrigerante deve ser feito pela tampa do radiador e também no vaso expansor, até o limite máximo.

Caso haja algum tipo de entrada falsa de ar no sistema, como um furo no radiador ou em qualquer mangueira do sistema de arrefecimento, o fluido tende a sair quando o motor esquenta, e ao resfriar, sugar ar, e o líquido de dentro do vaso expansor não se altera.

Já quando o sistema de arrefecimento possui tampa apenas no reservatório de expansão, parte do líquido de arrefecimento é resfriado no radiador e outra parte vai para o vaso de expansão, e depois volta para o sistema, já na parte fria, por uma segunda tubulação. Neste caso, a válvula da tampa serve apenas como alívio para eliminar sobrepressão do sistema.

Alexandre Akashi

Alexandre Akashi

Editor da Revista Farol Alto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.