Ford EcoSport: Motor 3 cilindros 1.5 l é destaque

Primeiro SUV compacto no mercado brasileiro, o Ford EcoSport chega renovado, principalmente no quesito powertrain. O modelo 2018 conta agora com inédito motor três cilindros de 1.5 litro, flex, capaz de atingir 137,2 cv de potência e 158,5 Nm de torque máximo, quando abastecido com etanol, e também o já conhecido 2.0 Duratec Direct Flex, de injeção direta, que rende 176 cv de potência e 221 Nm de torque máximo, também com etanol.

Por fora, as mudanças foram sutis, sendo a frente mais impactante, com prolongamento da grade até a linha do capô e novos faróis de neblina com setas integradas. O novo modelo chega em três versões: SE, FreeStyle e Titanium, sendo as duas primeiras com motor três cilindros 1.5 com opção de câmbio manual de cinco marchas ou automático de seis, e a Titanium com motor 2.0 e câmbio automático.

Os preços: SE manual, por R$ 73.990, SE automático por R$ 78.990, FreeStyle manual por R$ 81.490, FreeStyle automático por R$ 86.490, e Titanium por R$ 93.990. Se comparados com os demais SUVs do mercado, são valores bem competitivos, ainda mais se forem levados em consideração os equipamentos de série em cada versão.

Tela multifuncional no centro do painel é item de série em todas as versões do modelo

Comum a todos, destaque para os sete air bags (dois frontais, dois laterais, dois tipo cortina e um de joelho para o motorista), controle eletrônico de estabilidade (ESC) e tração (TCS), sensor de estacionamento traseiro, sensor de monitoramento de pressão dos pneus (TPMS), sistema anti-capotamento (RSC), controle ativo da grade frontal, sistema multimídia Sync 3, direção com assistência elétrica e bagageiro no teto.

A versão SE vem com multimídia SYNC 3 com tela de 6,5” e rodas de liga leve de 15”. A FreeStyle adiciona SYNC 3 com tela de 8”, câmera de ré, ar-condicionado automático e digital, faróis com luzes diurnas de LED, tela multifuncional de 4,2”, bancos revestidos em tecido e couro e rodas de liga leve de 16”, e a Titanium traz ainda teto solar elétrico, sensor de ponto cego com alerta de tráfego cruzado, acesso inteligente capacitivo, sistema de partida sem chave, faróis de xênon, Sony Premium com 9 alto-falantes, bancos de couro e rodas de liga leve de 17”.

Ao volante
A Ford proporcionou um curto teste drive do novo EcoSport, no litoral sul de Pernambuco, por trecho misto urbano/rodoviário. Infelizmente foi possível avaliar apenas uma versão do modelo, a FreeStyle 1.5 automático.

Estepe no porta-malas é marca registrada

A primeira impressão não foi muito boa. Com o veículo parado e ligado, as garrafas de água no console indicavam alto nível de vibração do motor. Era visível o chacoalhar do líquido dentro delas. Ao abrir o capô, diversas mangueiras e componentes vibram freneticamente. Em movimento, porém, a sensação no habitáculo era amenizada.

Com câmbio automático de seis marchas e bom nível de torque em baixa rotação, o EcoSport 1.5 acelera razoavelmente bem até 100 km/h, sem trancos, de forma suave e linear. Ao pisar fundo no acelerador, para uma retomada de velocidade, a resposta condiz com o tamanho do motor, e chega até a surpreender, por ser um três cilindros. O ronco é mais estridente do que um quatro cilindros, mas chega a ser agradável.

O acerto de suspensão está bom, nem muito duro, nem muito mole. Como SUV urbana, atende bem as necessidades dos motoristas que buscam mais conforto a desempenho.

Deslize
Com sete air bags, a Ford derrapou ao instalar freios a tambor nas rodas traseiras, ao invés de freios a disco. Tudo bem que pela relação peso-potência não é alta, uma vez que a versão FreeStyle avaliada tem 1.272 kg, e a mais pesada, Titanuim, 1.359 kg, porém, ao anunciar tanta tecnologia embarcada poderiam melhorar o componente principal de segurança, que são os freios.

Vale lembrar que o EcoSport é exportado para a Europa, onde não há mais carros zero km com freios a tambor, fruto de exigência do mercado local. Os consumidores europeus simplesmente não compram carros com freios a tambor, pela melhor eficiência dos freios a disco.

Faltou também ajuste de profundidade do volante, que ajuda a encontrar melhor posição de dirigir. O banco traseiro também não conta com apoio para os braços, um item que já deveria ter sido integrado em veículos com preço superior a R$ 70.000. Fez falta também a alça de segurança de teto, mas este item tem justificativa técnica: é incompatível com o air bag tipo cortina.

Curiosidade
Desde sempre, o estepe do EcoSport fica na tampa do porta-malas. No novo modelo não é diferente. Com isso, a tampa abre horizontalmente, para o lado, ao invés de verticalmente, para cima. Assim, quem tem garagem com menos de 5 metros de comprimento sofre para acessar o compartimento de carga, assim como quem para o carro na rua e logo em seguida outro veículo estaciona atrás, a poucos centímetros de distância.

Ficha técnica
Ford EcoSport 1.5 3 cilindros
Motor: dianteiro, transversal, flex, 3 cilindros, 1.497 cm³, 12 v, 137,2/130,4 cv a 6500 rpm (etanol/gasolina), 158,5/153,3 Nm a 4500 rpm (e/g); diâmetro x curso: 84 x 90 mm; taxa de compressão: 12:1
Câmbio: manual de 5 marchas ou automático de 6
Tração: dianteira
Direção: assistência elétrica
Suspensão: independente na dianteira, tipo McPherson e eixo de torção na traseira
Freios: Discos ventilados na dianteira e tambor na traseira
Rodas e pneus: liga leve 205/65 R15 (SE); 205/60 R16 (FreeStyle)
Dimensões: comprimento, 4269 mm; largura, 1765 mm; altura, 1693 mm; entre-eixos, 2519 mm, peso, 1227 kg (SE), 1255 kg (SE AT), 1242 kg (FreeStyle), 1272 kg (FreeStyle AT), porta-malas, 356 l; tanque de combustível, 52 l
Desempenho: velocidade máxima, 180 km/h; aceleração 0 a 100 km/h: 12,4 s (manual); 11,8 s (AT)
Consumo PBE-V Inmetro:
Manual: cidade – 8,3/11,6 km/l (e/g); estrada – 9/13,1 km/l (e/g)
AT: cidade – 7,1/10,4 km/l (e/g); estrada – 8,9/12,8 km/l (e/g)

Alexandre Akashi

Alexandre Akashi

Editor da Revista Farol Alto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *