Michelin para superesportivos

Alguns carros são sonhos de consumo de qualquer pessoa ligada a automóveis. Porsche, Ferrari, Lamborguini, Nissan GTR, Jaguar, Mercedes-Benz AMG são alguns deles. Alguns milhões de sortudos ao redor do mundo têm o privilégio de possuir um na garagem, novos ou usados, e é para esse público que a Michelin acaba de lançar um pneu que vai além do simples fato de permitir o veículo andar.: o Michelin Pilot Sport 4 S.

A marca promete maior eficiência e performance, assim como desempenho, com aplicação de novas tecnologias que proporcionam melhor aderência, controle, segurança e durabilidade. Uma delas é o ‘Bi-Compound’, que consiste na aplicação de dois tipos diferentes de borracha na banda de rodagem. Do lado interno há um novo composto de borracha e uma sílica especial que, quando combinados, ajudam a repelir a água em pisos molhados; e do lado externo da banda de rodagem, um novo elastômero híbrido para uma excepcional aderência no seco.

O novo pneu está disponível nos aros 19” e 20”

Outra tecnologia aplicada é o ‘Dynamic Response’, onde uma cinta híbrida de aramida e nylon assegura uma transmissão dos movimentos do volante ao pneu de maneira muito mais rápida e precisa.

Na pista
Para comprovar a eficiência dos novos pneus, a Michelin propôs um test drive interessante no autódromo VeloCittá, em Mogi-Guaçu, interior de São Paulo, onde ocorre as corridas da StockCar e outros campeonatos.

Infelizmente a pista estava molhada e muito escorregadia, o que exigiu certa prudência ao volante de supermáquinas como as descritas no início desta reportagem. Cada jornalista pode dar duas voltas na pista a bordo de dois carros escolhidos por sorteio, que determinou para este jornalista o Nissan GTR e o Porsche 911 Turbo.

Foi muito divertido, mas o teste que permitiu conhecer bem os novos pneus foi o de aderência, com uma Mercedes-Benz C 180, em circuito travado e escorregadio. Primeiro, com os Michelin Pilot Sport 4 S e, depois, com um similar da concorrência. As voltas com o Michelin foram tranquilas, uma para reconhecer o traçado, e outra para acelerar bem e sentir toda a pegada do pneu.

Ao trocar de carro, e já com um conhecimento maior da pista, percebe-se bem a diferença entre eles. A cada curva o sistema de controle de estabilidade entrava em ação, algo que não acontecia com o Michelin. Esse teste foi decisivo para convencer de que vale a pena investir neles, pena que estão disponíveis apenas para rodas 19” e 20”.

Alexandre Akashi

Alexandre Akashi

Editor da Revista Farol Alto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *