Pequeno, mas com desejo de velocidade

Uma semana é o bastante para avaliar o UP Cross TSI? Depende do interesse e o que deve ser avaliado neste período. Mas o tempo, sempre ele, é mais do que suficiente para determinar o quanto se quer ter o carrinho na garagem e pagar R$ 57 mil.

Antes de se assustar com o preço por “alguém” tão pequeno é bom saber que a versão avaliada por Farol Alto, é a top. Ou seja, vem recheada de equipamentos e acessórios que tornam o carrinho mais caro. Principalmente levando-se em conta que a versão possui câmbio manual de cinco velocidades, (há a versão com transmissão automatizada, i-Motion).

Tampa preta do porta-malas indica que modelo é turbo

Ao contrário dos modelos anteriores que eram mais simples e sem tantos acessórios, esta versão tem novos para-choques dianteiro e traseiro, faróis com máscara negra, calotas e rodas novas, e nas laterais a marca Cross. Internamente bancos com a logo do UP no encosto da cabeça, novo painel, sensor de estacionamento de ré, retrovisores com luzes de direção, volante multifunção, vidros elétricos na dianteira.

Ao volante
Para a avaliação do subcompacto nada melhor do que enfrentar o trânsito urbano e o de rodovias. Nos dois circuitos o carrinho não faz feio, teve um desempenho bem aceitável, embora chame a atenção o conjunto de suspensão não absorver totalmente as irregularidades do piso asfáltico. Mas existem outros pontos que se destacam, de maneira positiva, como o acesso aos controles, boa dirigibilidade e o desejo do motor de gostar de andar na alta velocidade. Claro que não se pode esquecer do câmbio manual de cinco marchas, que tem engates precisos.

Andando acima dos 100 km/h,a rotação fica abaixo dos dois mil giros, e o melhor é que não há invasão do ronco do propulsor. Ou seja, o nível de acústica permite ao motorista conversar ou ouvir música.

Antes de achar que o UP Cross TSI é uma filial do paraíso na Terra, é melhor voltar à realidade. O espaço interno é para dois. Aqueles que viajam no banco traseiro, vão sabendo que passarão aperto. Claro que o carro avaliado é um subcompacto, o que deve ser entendido como um veículo pequeno. No entanto, alguns concorrentes do segmento oferecem um pouco mais de “folga” para os ocupantes.

Detalhes
Embora esta versão do UP! venha bem recheada de equipamentos é importante lembrar alguns pequenos detalhes que devem pesar na hora da escolha. Não ter vidros elétricos nas portas traseiras é um escorregão da Volkswagen. Os vidros dianteiros mereciam subir ou descer com um toque. A falta de um GPS também pesa. A saída é o condutor baixar um aplicativo no celular e fixá-lo no suporte localizado acima do rádio.

A favor do Up pesa o motor TSI (Turbocharge Stratified Injection, ou em português turbo alimentado com injeção direta), tecnologia que une injeção direta de combustível com sobrealimentação de ar, resultando em um propulsor com melhor pulverização de combustível, menos perda e mais aproveitamento.

Desta forma, debaixo do capô há um “coração”, com vontade de acelerar bem e gastar pouco combustível. Esta economia ficou explícita durante o período de avaliação, onde a média de consumo, usando gasolina, ficou na faixa de 12 km/l.

O Up disputa um segmento onde cada faixa conquistada é importante. Tendo entre seus concorrentes o Mobi (Fiat), HB20 (Hyundai), Etios (Toyota), entre outros o veículo da Volkswagen leva uma certa vantagem não só pela economia de combustível, mas pelo motor que faz muita diferença quando comparado aos adversários. A grande questão é saber se vale investir tanto dinheiro em um carro que tem na vocação urbana sua principal virtude.

Ficha técnica
VW up cross TSI
Motor: dianteiro, transversal, flex, três cilindros em linha, injeção direta,999 cm3, 105/101 cv a 5000 rpm (etanol/gasolina), 16,8 Kfgm a 1500 rpm (e/g), diâmetro x curso: 74,5 mm x 76,4 mm, taxa de compressão: 10,5:1
Câmbio: manual de cinco velocidades
Tração: dianteira
Direção: assistência elétrica
Suspensão: independente, McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
Freios: disco ventilado na dianteira e tambor, na traseira.
Rodas e pneus: liga leve 185/60R15
Dimensões: comprimento: 3645mm, largura: 1645mm, altura: 1504mm, entre-eixos: 2421, peso: 991kg, porta-malas: 285 litros, tanque de combustível: 50l
Desempenho: velocidade máxima: 184 km/h, aceleração: 0 a 100 km/h em 9,1 segundos
Consumo PBE-V- Inmetro: urbano – 9,5/13,7 km/l (e/g). estrada – 10.4/14,7 km/l (e/g)

Antonio Puga

Antonio Puga

Antonio Puga é jornalista, especializado no setor automotivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.