Congestionamentos podem comprometer velas de ignição

O trânsito intenso nas grandes cidades leva ao desgaste excessivo de vários componentes do motor dos automóveis, gerando dificuldades na partida do veículo, sem contar o alto consumo de combustível.  O longo tempo nos engarrafamentos representa um problema para a manutenção, especialmente para componentes que sofrem desgastes além dos quilômetros rodados, como as velas de ignição.

Segundo o consultor de Assistência Técnica e especialista em sistema de ignição, Hiromori Mori, da NGK, lembra que o carro parado no congestionamento o motor continua funcionando. “Isso acontece, pois, mesmo com o carro parado no congestionamento, o motor continua em funcionamento em condições que não são adequadas, como baixa rotação e alta temperatura na câmara de combustão, o que expõe as velas de ignição às condições mais severas de uso”, ressalta.

Velas deterioradas podem causar dificuldades na partida do veículo, alto consumo de combustível, irregularidades no funcionamento, falhas durante retomadas e aumento dos níveis de emissões de poluentes.

Para o especialista, motoristas que encaram congestionamentos com frequência não devem se pautar apenas na quilometragem percorrida como referência para a revisão do componente. “As próprias montadoras recomendam que, nesses casos, o plano de manutenção indicado pelo fabricante seja antecipado pela metade. Se o manual do proprietário orienta a inspeção das velas a cada 20.000 quilômetros, as mesmas devem ser analisadas por um especialista após 10.000 quilômetros”, orienta Mori.

No momento da revisão, a inspeção visual da vela por um profissional permite identificar, pela aparência da ponta da peça, possíveis problemas no motor, como excesso de combustível, infiltração de óleo e de fluido de arrefecimento na câmara de combustão e uso de gasolina ou etanol de má qualidade. “Esse é um dos motivos pelo qual a manutenção preventiva do componente deve ser priorizada. Além de preservar a peça e o sistema de ignição, pode identificar outros problemas no motor, além de gerar economia para o consumidor, já que o valor do reparo corretivo na maioria das vezes pode ser mais alto”,afirma.

Também é importante que todo o sistema de ignição, como cabos e bobinas, seja verificado no momento de análise das velas, uma vez que o desgaste da peça pode comprometer os outros componentes. Apenas com uma análise visual é possível detectar trincas e rachaduras no corpo da bobina e oxidações nas torres de alta tensão e terminais. Nos cabos, a vistoria permite observar cortes, oxidação e degradação na área de borracha.

Antonio Puga

Antonio Puga

Antonio Puga é jornalista, especializado no setor automotivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.