Os riscos de usar amortecedores recondicionados

Os amortecedores são equipamentos de extrema importância para a segurança do automóvel, sendo responsáveis por manter o contato dos pneus com o solo, conferindo estabilidade e uma boa dirigibilidade. Por isso, é necessário utilizar sempre peças novas homologadas pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Os amortecedores recondicionados, embora sejam comercializados por preços menores, não atendem aos padrões de qualidade e apresentam desempenho inadequado, podendo causar graves acidentes. Diante desse fato, a Monroe recomenda sempre verificar a procedência do componente e fazer a substituição por peças originais.

“Os amortecedores recondicionados podem ter um preço mais atrativo, mas é preciso levar em conta que eles passam apenas por um processo estético para ficarem com a aparência de novos. Em geral, esses itens são lavados e repintados, com o uso de um fluido interno diferente do especificado. Por isso, eles não atendem às especificações exigidas pelas fabricantes de veículos. Além disso, são peças que já apresentam desgaste, com um desempenho bem inferior ao de um amortecedor novo, o que pode levar a acidentes gravíssimos”, alerta Juliano Caretta, Supervisor de Treinamento Técnico da Tenneco.

Os riscos de usar amortecedores recondicionados incluem aumento da distância de frenagem, desgaste prematuro dos pneus, trepidações, balanço excessivo em freadas e arrancadas, aquaplanagem e danos a diversas peças da suspensão, como coxins e buchas. Pode ocorrer ainda o travamento dos amortecedores, impedindo que o motorista controle o carro corretamente, seja em linha reta ou em uma curva.

Alexandre Akashi

Alexandre Akashi

Editor da Revista Farol Alto alexandre@farolalto.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.