Rivais orientais

A eterna briga entre Honda Civic e Toyota Corolla pelo posto de melhor sedan médio japonês acaba de ficar mais interessante com o lançamento dos modelos 2018. A Honda promoveu uma mudança de design radical no Civic, enquanto a Toyota tornou o Corolla mais atraente.

Indiscutivelmente, o novo Civic chama atenção e deixa o design do rival a desejar. Porém, não chega a ser disruptivo, tal como em 2006, quando o New Civic trouxe elementos de outras carrocerias para um sedan.

O design da traseira do Honda lembra os modelos da Volvo; no Toyota é mais clássico

O mais importante da geração 10 do Civic é que o carro cresceu em tamanho e conforto, itens que o Corolla dominava sobre o Honda. Agora conta com entreeixos de 2,7 metros, valor idêntico ao do Toyota, e porta-malas de 519 litros, ante 470 do rival.

As versões escolhidas para este comparativo são as intermediárias, com câmbio automático CVT. O Honda Civic EXL custa R$ 105.900, enquanto o Toyota Corolla XEi tem preço a partir de R$ 103.990. Apesar de ser mais barato, o Honda é melhor equipado, com ar-condicionado de duas zonas (o Corolla tem apenas uma), freio de estacionamento elétrico (alavanca no Toyota), borboletas atrás do volante e conexão HDMI (ausentes no concorrente), entre outros. No entanto, o Corolla conta com TV digital no sistema multimídia, função que o Civic não possui.

Mecânica
O conjunto motor-transmissão dos dois modelos é bastante parecido, apesar de o Honda contar com taxa de compressão menor e variação apenas nas válvulas de admissão, enquanto o Toyota varia também as de exaustão.

Apesar disso, as características de torque e potência são bastante similares e, como as caixas de transmissão também são parecidas (CVT de sete marchas virtuais), dados de consumo e desempenho tendem a ser próximos. Mas, chama atenção o fato de o Corolla acelerar de 0 a 100 km/h mais rapidamente, principalmente se for levado em conta o fator peso. Com 1315 kg, 24 kg a mais do que o Civic (1201 kg), o Corolla atinge 100 km/h em 9,6 segundos ante 10,9 segundos do rival. Vale lembrar que ambos calçam pneus da mesma medida, 215/50 R17.

Um ponto bastante particular de cada modelo é a suspensão. A Toyota apostou em soluções mais simples para o Corolla, com eixo de torção na traseira, enquanto a Honda apresenta um excelente multilink, que permite mais controle e estabilidade. Na dianteira, ambos chegam com suspensão tipo McPherson.

Ao volante
Tanto o Civic quanto o Corolla são bons de dirigir. O Honda, apesar de ter crescido em comprimento e largura, ainda tem pegada mais esportiva do que o Corolla. De certa forma, o Civic envolve mais o motorista, enquanto o Toyota enclausura. No Corolla, a posição de dirigir foi pensada para o máximo de conforto, com posição elevada e estofamento macio.

Já o Honda Civic permite dirigir mais rente ao chão, com menor visibilidade frontal, mas de forma bem agradável e com ombros protegidos pela carroceria. Claro que, quem gosta de uma posição mais elevada, consegue regular a altura do banco e dependendo do tamanho do motorista, até enxergar a frente do carro.

Em relação ao desempenho, ambos cumprem muito bem o papel de sedans familiares para o qual foram desenvolvidos. A força e desenvoltura dos motores são suficientes para quem precisa de um pouco de mais de potência mas ainda não quer partir para os motores pequenos com turbo, e até mesmo o consumo é bom.

Assim, com algumas pequenas diferenças, ambos tem públicos distintos, pois dificilmente o proprietário de Corolla migra para um Civic, mas com o avanço da idade, é possível que um consumidor de Civic encontre no Corolla algum conforto extra que até então a idade não necessitava.

Ficha técnicaHonda Civic EXL CVTToyota Corolla XEi CVT
PreçoR$ 105.900R$ 99.990
Motordianteiro, transversal, flex, 1997 cm³, 4 cilindros, 16 válvulas, SOHC, comando variável na admissão, corrente, 155/150 cv a 6300 rpm (e/g), 19,5/19,3 kgfm a 4800 rpm (e/g), diâmetro x curso: 81 x 96,9 mm, taxa de compressão: 11:1 dianteiro, transversal, flex, 1986 cm³, 4 cilindros, 16 válvulas, DOHC, comando variável na admissão e escape, corrente, 154/143 cv a 5800 rpm (e/g), 20,7/19,4 kgfm a 4800 rpm (e/g), diâmetro x curso: 80,5 x 97,6 mm, taxa de compressão: 12:1
CâmbioCVT de 7 marchasCVT de 7 marchas
Direçãoassistência elétricaassistência elétrica
Traçãodianteiradiranteira
Suspensãoindependente nas quatro rodas, tipo McPherson na dianteira e multilink na traseiraindependente na dianteira, tipo MC Pherson, e eixo de torção na traseira
Freiosa disco nas quatro rodas, ventilado na dianteira e sólido na traseiraa disco nas quatro rodas, ventilado na dianteira e sólido na traseira
Rodas e pneus215/50 R17215/50 R17
Dimensõescomprimento: 4637 mm, largura: 1799 mm, altura: 1433 mm, entre-eixos: 2700 mm, porta-malas: 519 l;tanque de combustível: 56 l, peso: 1291 kgcomprimento: 4620 mm, largura: 1775 mm, altura: 1475 mm, entre-eixos: 2700 mm, porta-malas: 470 l, tanque de combustível: 60 l, peso: 1315 kg
Desempenhovelocidade máxima: 195 km/h, 0 a 100 km/h: 10,9 svelocidade máxima: 199 km/h, 0 a 100 km/h: 9,6 s
Consumourbano: 7,2/10,6 km/l (e/g), estrada: 8,9/12,9 km/h (e/g)urbano: 7,2/10,6 km/l (e/g), estrada: 8,8/12,6 km/h (e/g)
Alexandre Akashi

Alexandre Akashi

Editor da Revista Farol Alto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *