Ghosn é acusado de esconder renda pactuada com Nissan

A Promotoria de Tóquio acusou formalmente  nesta segunda-feira (10/12) o empresário franco-brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan, de não declarar parte da renda estipulada com a companhia durante cinco anos, até março de 2015. Também foi emitida ordem de detenção por outras acusações.
Ghosn, de 64 anos, foi detido em Tóquio no dia 19 de novembro, acusado inicialmente de esconder das autoridades renda pactuada de perto de 5 bilhões de ienes (US$ 44 milhões). Nesta segunda-feira expirava o prazo de detenção provisória.
Os documentos de acusação da promotoria consideram que a Nissan também cometeu irregularidades ao não reportar ao regulador da bolsa parte da renda pactuada com Ghosn nos relatórios contábeis anuais da companhia.
A emissora pública de televisão do Japão NHK e a EFE tiveram acessos a documentos referentes a Ghosn, que são analisados pela Promotoria de Tóquio.
Ghosn segue como presidente e diretor executivo da firma francesa Renault, com a qual a Nissan tem uma aliança. Também foi cessada, como presidente da Mitsubishi, a terceira peça da aliança do setor automotor forjada há quase duas décadas.
*Com informações da Agência Brasil
Antonio Puga

Antonio Puga

Antonio Puga é jornalista, especializado no setor automotivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.